Google+ Followers

SEGUIDORES DE TALENTOS PEDAGÓGICOS

5 de fevereiro de 2012

ATIVIDADES ECONÔMICAS, MEIOS GEOGRÁFICOS E SETORES DA ECONOMIA: EVOLUÇÃO E RETRAÇÃO



ATIVIDADES ECONÔMICAS, MEIOS GEOGRÁFICOS E SETORES DA ECONOMIA: EVOLUÇÃO E RETRAÇÃO

Os setores da economia, que podem ser entendidos como primário, secundário, terciário e quaternário.

É por meio das atividades econômicas que os seres humanos podem obter as coisas que precisam para suas vidas. Elas constituem a essencial fonte de emprego e renda.

As técnicas, assim como a sociedades, passaram e passam por um processo evolutivo. E por intermédio dessa evolução no tempo e no espaço a população.

São as lógicas e os tempos humanos impondo-se à natureza, situações em que as possibilidades técnicas presentes denotam os conflitos resultantes da emergência de sucessivos meios geográficos, todos incompletamente difundidos.

O meio natural é marcado pelos tempos lentos da natureza, e pela adaptação humana aos sistemas naturais. Esse período se caracterizou pela escassez de instrumentos artificiais necessários ao domínio desse mundo natural, e pode ser chamado também de pré-técnico.

O período técnico vê a emergência do espaço mecanizado. As áreas, os espaços, as regiões, os países passam a se distinguir em função da extensão e da densidade da substituição, neles, dos objetos naturais e dos objetos culturais. .

O terceiro período começa praticamente depois da Segunda Guerra Mundial, onde os grandes instrumentos políticos e os grandes provedores das idéias que iriam guiar a reconstrução ou a remodelação dos espaços nacionais, juntamente com a da economia, da sociedade e da política, foram às ideologias do consumo, do crescimento econômico e do planejamento.

A ciência direciona-se, de modo geral, para o setor produtivo. Nunca a ciência e a técnica estiveram tão interligadas como nesse período.

O setor primário, que engloba as atividades ligadas ao campo, como a agricultura, a pecuária e o extrativismo. O setor secundário, no qual as atividades industriais estão inclusas, e, o setor terciário, o qual inclui as atividades ligadas ao comércio e a prestação de serviços.

O setor primário já foi predominante, empregando a maior parte da mão-de-obra ocupada, respondendo pela produção da maior parte da riqueza, porém, a evolução da ciência e da técnica faz emergir um novo modo de produzir baseado na produção em série e em massa, através do uso de máquinas e ferramentas. É a emergência do secundário, que ganha importância predominando por algum tempo como modelo hegemônico, trazendo no seu bojo, a especialização de trabalhadores, a descoberta de novos modos de produzir energia, etc.

.









Atividades ligadas ao setor primário

As atividades econômicas mais antigas são as extrativas: a caça, a pesca e a coleta de frutos nas matas. Tais atividades poucas transformações causaram no espaço geográfico, pois, o extrativismo animal (a caça e a pesca) e o extrativismo vegetal (a coleta de frutos nas matas) eram praticados em pequena escala, somente para a sobrevivência da espécie humana.

Revolução Neolítica, que nas palavras do autor citado acima, corresponde ao período em que o homem começou a cultivar a terra e a domesticar os animais, ao mesmo tempo em que passou a utilizar instrumentos de pedra polida. Sendo que, a criação de animais (pecuária) e o cultivo de plantas úteis aos homens (agricultura), foram às primeiras atividades econômicas pré-industriais a modificar com mais intensidade o espaço, pois, o referido período coincide também com a época em que o homem deixa de ser nômade e passa a sedentário, se fixando a terra. Tal período corresponde também à época em que o homem passa a utilizar novos instrumentos, como os de pedra polida.

Atividades ligadas ao setor secundário

As modificações no espaço provocadas pelas formações sociais na prática do extrativismo, da agricultura e da pecuária no período pré-capitalista, foram pequenas se comparadas às do período a partir da Revolução Industrial

A Sociedade Moderna ou Industrial, tem estado em um constante processo de transformação do espaço, tanto para extrair recursos, quanto para produzir, transportar e consumir mercadorias. No entanto, a indústria nem sempre foi moderna, ela passou por um processo evolutivo, vindo da manufatura.

No início do século XVIII, haviam encarecido de tal modo que os artesãos e os trabalhadores das manufaturas sentiram dificuldades para adquiri-los. Nem todas as pessoas podiam adquirir os instrumentos de trabalho, apenas algumas que tinham um poder aquisitivo maior, como os ricos comerciantes, ou seja, os burgueses.

A partir do surgimento da indústria moderna na segunda metade do século XVIII, se diversifica de tal forma que os trabalhadores passam a se especializar nas distintas tarefas oferecidas nas fábricas. Na divisão do trabalho o processo de produção é decomposto, de modo que cada operação ou tarefa seja realizada por um ou mais trabalhadores.

O mundo encontra-se organizado em subespaços articulados dentro de uma lógica global. Devido à crescente especialização regional, com os inúmeros fluxos de todos os tipos, intensidades e direções têm de falar de circuitos espaciais da produção.

O setor terciário da economia é o setor que, nos países industrializados, tende a empregar a maior parte da mão-de-obra e corresponde ao comércio e aos serviços, como transporte, educação, saúde, comunicação e sistema financeiro.devido ao desenvolvimento de novas tecnologias e a informatização, o setor terciário é o que tem apresentado um crescimento mais acentuado nos últimos anos

. O setor secundário, geralmente, tem adotado tecnologias poupadoras de mão-de-obra, fazendo com que boa parte desses trabalhadores migre para o terciário, no entanto, essa força de trabalho que migra, agora necessita exercer um trabalho mais criativo em vez de executar tarefas mecânicas

É a chamada terceirização da economia, em que o setor terciário passa a comandar os demais setores, a utilizar a maior parcela da mão-de-obra ocupada e a responder pela maior parte da produção de riqueza dos países. As características citadas até então, marcam também uma crescente desigualdade sócio-econômica, onde parte da mão-de-obra ociosa passa a fazer parte da economia informal, pois, a informática e a robótica passam a atuar, também, como poupadoras de mão-de-obra.



Setor quaternário

A expansão da economia provocou a transferência das atividades produtivas de um setor para o outro, causando certo "inchaço" no terciário, que passa a não mais responder aos anseios da sociedade. A partir desse momento emerge, paulatinamente, a sociedade pós-industrial.

O surgimento do quaternário foi possibilitado pela chamada revolução tecnológica, que provocou alterações profundas na configuração social [e espacial] do ocidente, como a descentralização da economia, a alteração das práticas culturais, a democratização da informação e a redefinição do trabalho.

Agora estamos em um tempo que é o da televisão e da telerrealidade, em que as culturas tendem a extrapolar o real imediato, o aqui agora, emergindo no fluxo de um tempo virtual, de imagens virtuais, consolidando o advento das novas tecnologias de comunicação. Assim sendo, no âmbito do trabalho, percebe-se que as novas tecnologias de comunicação provocaram e continuam provocando mutações.

Representa também, economia de tempo, de custos de transporte, de instalações físicas e despesas daí decorrentes, além de minorar o tráfego de veículos e a poluição ambiental.

... Esse novo setor da economia desponta como um novo modo de organizar o espaço e as relações travadas nele. Sendo que, como um rearranjo do capitalismo, perdurará por um período da história da sociedade humana e será modificado quando não mais responder aos anseios dessa mesma sociedade.

Dos setores da economia, que é composto pelos setores primário, secundário, terciário e quaternário. O primeiro desses setores apresenta as atividades ligadas principalmente ao meio rural, como principais atividades econômicas. O segundo é aquele que inclui as atividades industriais. O terceiro está relacionado com as atividades ligadas ao comércio e a prestação de serviços. E por fim, o quarto setor da economia em que as atividades ligadas à informação e a comunicação são as atividades econômicas principais.

Na atualidade, onde o meio técnico-científico-informacional desponta como central, as atividades econômicas se ligam ao terciário e quaternário, pois, aquelas vinculadas ao comércio e a prestação de serviços se encontram cada vez mais atreladas à informação e a comunicação.

BIBLIOGRAFIA CONSULTADA

BARRIOS, Sonia. A produção do espaço. In: SOUZA, Maria Adélia A. de & SANTOS, Milton (org). A construção do espaço. São Paulo: Nobel, 1986 – (Coleção Espaços).

CARVALHO, Izabel Cristina Louzada & KANISKI, Ana Lúcia. A sociedade do conhecimento e o acesso à informação: para que e para quem? Ci. Inf. v.29, n. 3, p. 33-39, set/dez. 2000. Disponível em www.ibict.br/cionline. Acesso em 23 de março de 2002.

FERREIRA, Aurélio Buarque de Holanda. Novo dicionário da língua portuguesa. 2. ed. Revista aumentada. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986.

JAPIASSÚ, Hilton & MARCONDES, Danilo. Dicionário básico de filosofia. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 1996.

MOREIRA, Igor. Construindo o espaço do homem. 2. ed. São Paulo: Ática, 2001.

_____. O espaço geográfico: Geografia geral do Brasil. 47. ed. São Paulo: Ática, 2002.

SANTOS, Milton. Espaço e método. 3. ed. São Paulo: Nobel, 1992. – (Coleção Espaços).
revista_001http://www.ticnaeducacao.com.br
chamada1